terça-feira, 21 de julho de 2009

KILLER KLOWNS FROM OUTER SPACE – PALHAÇOS ASSASSINOS

Killer_klowns_poster

EUA (1988)

Direção: Stephen Chiodo

Elenco: Grant Cramer (Mike), Suzanne Snyder (Debbie), John Allen Nelson, John Vernon e Michael Siegel

Saca o título: “Palhaços Assassinos do Espaço Sideral”. Está pérola única dos Irmãos Chiodo é o mais memorável e divertido filme B dos anos 1980 e ganhou status de cult movie com o passar do tempo.

Armas de pipoca, nave espacial em forma de tenda de circo e casulos de algodão doce recheiam um absurdo e criativo filme que gerou algumas (esquecíveis) cópias na década seguinte. Inicia com uma espécie de pião voador girando nos céus e aterrisando numa cidade do interior dos EUA. O pião voador era na verdade uma nave-circo espacial.

Moradores locais começam a se aproximar do circo e desaparecem. Corta. Agora dois carinhas estão pilotando um carrinho de sorvete (na verdade uma van com um sorvetão de plástico em cima dela) e saem fazendo barulho pela cidade que já está meio cheia das piadas dos dois.

Enquanto isso, jovens se reúnem na lanchonete da cidadezinha e curtem um rockabilly naquelas jukebox estilosas e um casal “dá um pega” no banco traseiro de um Oldsmobile. Um fazendeiro tosco pega uma pá, um balde e seu cachorro “Ursinho Puff (?)” e vai investigar o local do surgimento do “circo”. Se ferra de vermelho e amarelo (as cores da nave-tenda). Começa uma série de sumiços e ataques na cidade e o xerife, claro, acha que tudo é invenção das pessoas e atribui as ligações de socorro a trotes dos irmãos sorveteiros.

Pinta um novo telefonema e o xerife muito a contragosto vai investigar. Acha uma espécie de cobertura de chantili no banco do carro em que o casal (desaparecido) namorava. Surge o indefectível par romântico Mike e Debbie, que num momento de distração dos palhaços consegue penetrar na nave-circo e descobrem que tudo aquilo era meio estranho. Acham uma espécie de geladeira forrada de casulos gigantes.

Os ataques continuam, seduzidos pelos palhaços, os moradores da cidade acabam estrangulados por línguas-de-sogras, sufocados por pipocas voadoras, derretidos por tortas de creme no corpo e raptados por algodões-doce gigantes. Cena memorável: casal apaixonado troca beijos na lanchonete da cidade, a mesma do começo do filme, e descuida da filha de 5 anos que observa um dos palhaços assassinos dando tchauzinho do lado de fora da lanchonete. Ela abandona os pais e vai até a porta da lanchonete para se deparar com o palhaço-alien com um porrete gigantesco escondido para esmagá-la.killer_klowns3

Voltamos para o casal xereta, que acaba encontrando os habitantes da cidade presos dentro de casulos de algodão-doce gigante. Advinha a utilidade dos casulos ?

- Eram onde os coitados raptdos estavam. Um furinho na superfície do algodão e… a palhaçada toda bebia os moradores como quem toma uma diet coke).

Mas, os vacilões fazem barulho demais e um palhaço surpreende os bisbilhoteiros. Começa perseguição. Tiros e tiros de espingarda que dispara pipocas assassinas explodem na tela.

Nossos heróis conseguem ganhar uma boa distância. Então, no segundo grande momento do filme o palhaço pega umas bexigas, dá aqueles nós e monta um “cachorrinho-bexiga-farejador” que denuncia esconderijo da dupla. Mais correria , tiros e tal até que o Mike com uma arma de verdade dá um tiro bem naquele nariz de bola que os palhaços usam. Surpreso, percebe que os aliens explodiam. A cena marcante era exatamente essa: tiro no nariz, palhaço girando como pião, musiquinha circense e eles virando serpentinas. Eureca ! descobriram como evitar os invasores !

Os palhaços-aliens ligam a nave-circo que começa a girar intensamente , a dupla de heróis pula fora no último segundo e os malandrões se mandam para o espaço sideral (de onde nunca deveriam ter saído). O filme, coloridíssimo , com atuações supreeendentes , baixo teor de violência é quase uma terror-comédia e acaba funcionando como um caledoscópio de citações da cultura trash dos anos 1950 ( passagens plagiadas de “A Bolha” - a dominação da cidadezinha pelos clows - e “Invasores de Corpos”- os casulos algodão-doce). Enfim, palhaçada de primeira.

A TV Bandeirantes exibiu este filme pela primeira vez, acho, que em 1990 no “Cine Mistério” e depois várias vezes no “Cine Trash”.

No espaço sideral ninguém pode tomar sorvete !!!

*****Ótimo

Nenhum comentário:

PLACAR nº 36, novembro de 1970