terça-feira, 31 de julho de 2012

BOING BOOM TSCHAK # 41

044 phantom_empire_robot
A próxima geração de consoles e computadores domésticos e arcades iria mudar os rumos da música nos vídeo-games.
O primeiro computador caseiro a utilizar processamento de sinais digitais para gerar sons foi o Commodore Amiga em 1985. O chip do computador inicialmente apresentava quatro conversores independentes de sinais analógicos para digitais de 8-bit. Ao invés de simplesmente gerar uma onda sonora que parecia um simples bip, agora era possível executar samples de sons pré-gravados para serem tocados através do chip de som, armazenados em memória. Isso permitiu que o desenvolvedor pudesse gravar e usar um sample de um instrumento real ou de um som desejado em uma qualidade significativamente mais alta e com uma maior fidelidade do que a disponível anos atrás. Este era um estágio primitivo do que mais tarde viria a ser conhecido como wavetable e soundfont. Por ser o pioneiro e tendo um preço acessível, o Amiga viria a continuar sendo uma ferramenta básica nos primórdios da música sequênciada, especialmente na Europa.

mt220
O principal rival do Amiga, o Atari ST, usava o gerador de som programável (programmable sound generator, ou PSG) Yamaha YM2149, que era limitado se comparado ao chip SID, do Commodore 64. Som digital era ouvido no Atari ST apenas com o uso de truques de programação que consumiam tempo do processador, o que era impraticável no desenvolvimento de jogos. No entanto, já que o Atari ST já vinha com entradas MIDI, era usado por músicos profissionais como um dispositivo para programação MIDI.
Clones dos PCs da IBM em 1985 ainda não tinham grandes habilidades multimídia, e sons digitais ainda não eram populares nos consoles. Apesar do grande potencial em produzir sons mais realistas, cada sample consumia uma grande quantidade de memória. Nesse tempo memória, seja em estado sólido (cartuchos), magnético (disquetes) ou qualquer outro tipo era bastante custoso por kilobyte. Chips de som seqüenciados geravam música com apenas algumas linhas de código simples e consumia menos memória.
Giorgio Moroder – Percussiv
Jacques Siroul – Pop Robin
Afrika Bambaataa – Renegades Of Funk
Alessandro Alessandroni – Vocal Sul Pentagramma
Bobby Byrne – Hair
Brian Eno & David Byrne – The Jezebel Spirit
Bruce Haack – Bods
Caldera – The Mother Stood
Caravelli – Popcorn
Dee D.Jackson – Galaxy Of Love
Devo – Girl U Want
Einsturzende Neubauten – Sand
Gnesta Kalle and His Moogmen – Man Fär Ta Vad Man Kan Fä
Golem – Orion Awakes
no rádio:

baixe: MP3

BRUCUTU

 

45

TURBA

 

zz32

domingo, 29 de julho de 2012

DAVID BYRNE - VERDADES DE UM TALKING HEAD (Bizz nº17, Dezembro de 1986)

 

byrne.jpg

Cabeça dos cabeças-falantes em uma entrevista transoceânica com PEPE ESCOBAR

    Aqui, Londres. Do outro lado, Nova York. No meio, um oceano, um satélite e um fio de voz anasalado, quase esquizo, entre o sotaque nova-iorquino e um delay caipira. Difícil encontrar essa voz: quase um mês de articulações. Mas é ele mesmo, David Byrne, 33 anos, escocês on the rocks, criado na aprazível Maryland, EUA, terra da promissão. É um louco? É um gênio? Mais para uma terceira via - budista e ao mesmo tempo, simploriamente, made in USA. Um homem simples, tão dividido quanto a taxa de praxe concedida à raça humana.
    David Byrne. A face visível - e absolutamente elusiva - dos desconcertantes Talking Heads. O homem que apareceu em 77 com uma canção, Psycho Killer, construída em esquema Alice Cooper, e interpretada de uma maneira tão far out que virou hino de (pós-trans-hiper-mega-anti) vanguardas de todas as latitudes. O homem que melhor conseguiu transpor a demência uterina da América em pop songs assobiáveis e dançáveis. O homem que com Remain in Light redescobriu a África para o mundo branco o estruturou o álbum pop afro-amenicano mais influente entre jazzistas sérios de também todas as latitudes. O homem que vendeu sua esquizofrenia como uma obra de arte da maneira mais inteligente, no universo pop, desde as primeiras manipulações de Bowie. O homem cujos vídeos são patrimônio do Museu do Arte Moderna de Nova York. O homem responsável, junto com o diretor Jonathan Demme, pela melhor performance pop já levada à tela (Stop Making Sense). O homem que revirou os sons do mundo com Brian Eno, revirou o teatro com Bob Wilson, revirou a composição para balé com Twyla Tharp...

truesmall

    BIZZ - Esse papo tem um objetivo primordial - entre tantos outros. Demonstrar para uma moçada lá no Brasil que você não é um mito. Seu tema atual são "histórias reais", do jeito que você já as tratava nas suas canções. Como é que isso foi parar no cinema?
   Byrne - Há alguns anos eu venho colecionando histórias estranhas, bizarras, entre todos os jornais e revistas que leio. Elas formam a base de True Stories, o filme. Demorei dois anos para colocar esse projeto em pé. Depois, com a equipe, demoramos dois meses em filmagem. Em resumo, trata-se de uma série de histórias estranhas que acontecem em torno, e relativas, às pessoas residentes em uma cidade imaginária, Virgil, Texas.

    BIZZ - Fale um pouco dos personagens.
   Byrne - Tem um monte de gente, parece uma história em quadrinhos... Entre os principais, há a Mulher Mais Preguiçosa do Mundo, que há décadas não abandona a sua cama. O Sr. Tucker, seu criado, que fica o tempo todo evitando um robô, que vive dentro da casa, e à noite faz cerimônias de vudu em um santuário no fundo do quintal. A Mulher Mentirosa, que nasceu com um rabo mágico, sabe a verdadeira razão do assassinato do presidente Kennedy, e compôs quase todas as músicas que Elvis Presley cantou na sua carreira. Há um personagem que lê os traços da personalidade das pessoas, torcendo os seus narizes. Há o Solitário com Fome de Amor: ele tem um neon em sua casa, onde está escrito "Procura-se Esposa", e também um comercial na TV - no final aparece: "Ligue Freefone 544 WIFE".

    BIZZ - Então nada disso saiu de - sua cabeça? Existiu na vida real?
    Byrne - Todas as situações são baseadas em acontecimentos reais.

    BIZZ - Como você montou o filme na sua cabeça, quando a idéia começou a deslanchar?
   Byrne - Eu tinha uma parede cheia de recortes de jornais, que representavam certas cenas, mas nada organizado ainda como um roteiro, com cenas etc... A partir disso introduzi a figura de um narrador, e se armou uma estrutura, onde o personagem principal, que eu interpreto, entra na cidade, encontra os outros personagens e eles montam um show ao ar livre.

    BIZZ - Supondo que deva ter havido farta pesquisa em cima dessas "histórias", e uma adaptação para a tela, até que ponto essas histórias são importantes? Você as colocou na tela porque, no fundo, vê nelas significados adicionais?
    Byrne - Eu não vivo em função dessas histórias, eu apenas gosto de saber que elas existem. A maioria é absolutamente ridícula, daí o seu humor. No fundo, acho que todas elas dizem alguma coisa que não está assim tão óbvia.

    BIZZ - Como você lida com a questão da moralidade? A América basicamente ainda é um imenso império puritano. É por causa disso que seu filme não tem julgamentos morais sobre nenhum personagem, é neutro?
    Byrne - Eu decidi desde o início não tocar em sexo, política e violência, porque todo mundo que vai ao cinema já tem suas opiniões preconcebidas sobre esses temas. Meu principal problema era construir personagens que fossem "reais", que envolvessem emocionalmente a platéia. Sempre achei que é melhor para a platéia, e muito mais divertido, quando ela descobre as coisas por si mesma e faz seu próprio juízo sobre os personagens.

    BIZZ - A América, lá dentro, parece mesmo uma alucinação. Parece que a única coisa que existe no mundo são shopping centers, estacionamentos, siglas de multicorporações e o zumbido da mídia, especialmente da tela da TV. Para não falar do comportamento standard da classe média. Você acha que seu filme é apenas um xerox da realidade, ou existe algo mais além?
    Byrne - Eu acho que a minha é uma visão utópica. Claro que essas enormes corporações estão presentes na vida de todas as pessoas. Mas eu acho que a minha visão é otimista em relação a isso. Eu gosto desse pessoal...

TrueStoriesAFilmByDavidByrne224

    BIZZ - O que você acha desse neonacionalismo reaganiano, linha Rambo-é-que-está-com-a-razão?
    Byrne - É um truque. É assustador que a maioria das pessoas queira tanto acreditar que isso é verdade. Acho que o governo dos EUA está vendendo o país. As pessoas é que são a verdadeira riqueza do país. Todo império em retração entra em uma jogada muito estranha. Egito, Roma, Espanha, e os EUA agora. Eles sentem nostalgia pelo que foram, porque estão vendo que isso está acabando. A América sempre teve o dinheiro que quis, durante muito tempo. No Texas, o dinheiro saía do chão, jorrava do chão. Quando acabou o trabalho escravo, barato, a América importou mais, do exterior. A expansão acabou. A realidade é outra, e bem mais dura.

    BIZZ - Na sua opinião, o que é mais triste, patético e terrível, tanto na vida real da imensa massa suburbana quanto nesse filme?
    Byrne - O que acontece na cidadezinha de Virgil é típico da América. Gente simples de interior, anônima, perdida no meio de um vasto continente que não consegue controlar, busca sua afirmação inventando uma característica muito "especial". Ninguém, nem mesmo as corporações gigantescas, pode impedir um sujeito de chegar e gritar: "Alô, todo mundo aí, eu sou o homem que tem uma casa coberta de latas de cerveja amassadas".

    BIZZ - O patético, então, é o tema-chave dessas histórias?
    Byrne - Pode ser, depende da maneira com que são encaradas. Mas acho que é um tremendo ato de coragem dessas pessoas. Elas constroem sua vida a partir do nada. E a transformam em uma obra de arte. E uma arte mais pura do que a criada por muita gente sofisticada.

    BIZZ - Uma curiosidade: você se amarra nos filmes feitos ou produzidos por Roger Corman?
    Byrne - Sim, claro. Vi a maioria.

    BIZZ - Então você deve gostar de monstrinhos absurdos. O filme chega a ter um monstrinho - um pastor fundamentalista, paranóico, que fica falando absurdos em cima de uma batida funk. É apenas um monstro, ou tem um papel especial?
    Byrne - Minha intenção não foi apresentá-lo apenas como monstro, mas como um sintoma do sentimento de impotência dos habitantes da cidadezinha. Essas pessoas sentem que o mundo, a mídia, tudo que existe em sua volta está fora de seu controle. Elas acham que tudo é uma enorme conspiração para lhes tirar o sossego. Não conseguem achar o mínimo de sentido em um mundo tão complexo e incontrolável.
    BIZZ - Você, particularmente já chegou a ter uma fé em algo que esclarecesse o mundo - seja religião ou uma doutrina política?
    Byrne - Eu fui obrigado a ir à igreja por um bom tempo, mas não agüentei. O que me interessa nas religiões são os rituais milenares. As pessoas hoje não ligam mais para isso.

    BIZZ - Em essência, você acredita no quê?
    Byrne - Coisas práticas, tangíveis, demonstráveis.

    BIZZ - No filme você é diretor, roteirista, ator e também fez a trilha sonora. Prince também quis fazer de tudo e deu aquele lixo, Under the Cherry Moon. Sting de vez em quando aceita uns roteiros horríveis. Bowie entra em frias tipo Labirinto. Você acha que a sua experiência tem semelhança com a deles? Ou é mais cínica?
    Byrne - Nesse filme, ninguém está sendo enganado. Por exemplo, os Talking Heads são embalados em papel de presente. É um jogo com a idéia de que também somos vistos pelo público como um produto. Nós somos um produto, é claro: produzimos pedaços de plásticos e depois tentamos convencer as pessoas a comprá-los.

    BIZZ - As canções de True Stories foram escritas para os personagens do filme, e não especificamente para os Talking Heads, não é?
    Byrne - Elas foram escritas para os personagens. O LP de estúdio é como se fosse uma segunda versão, a minha interpretação em cima delas. No filme, apenas uma das músicas é tocada pela banda. As outras ou são cantadas pelos atores em playback, ou são tocadas por atores músicos, ou são cantadas por atores em cima de uma trilha instrumental do Talking Heads.

    BIZZ - Por isso resolveu lançar dois LPs, o do filme e o do estúdio?
    Byrne - Sim, porque são completamente diferentes.

    BIZZ - Você cultua bubble gum music, ritmos africanos, música oriental, country, concreta... E música brasileira? Você ouve, conhece?
    Byrne - O que mais escuto atualmente é música da América Latina - cubana e brasileira, em especial. Não só nomes conhecidos, mas os ritmos. No rádio, escuto praticamente só country music. Quanto à música pop, não é preciso procurá-la mais. Está em qualquer lugar, a qualquer hora.

    BIZZ - Tina e Chris Franz foram ao Brasil com os B-52 e se amarraram. Você pretende um dia fazer a viagem?
    Byrne - Sim, claro, é só talvez passar a campanha de lançamento do filme e dos discos.

    BIZZ - Depois de Stop Making Sense a banda praticamente não tocou mais ao vivo. O filme significou o fim definitivo de uma fase? Talking Heads, depois dessa aventura cinematográfica, voltam à estrada?
    Byrne - Agora, o ritmo da banda e sua maneira de encarar uma apresentação ao vivo são completamente diferentes. Estamos pensando em soluções novas - e sem repetir as performances das músicas mais antigas. Vamos voltar a tocar ao vivo, é claro.

    BIZZ - Você tinha fama - ou lhe atribuíram a fama - de ser um esquizo, ainda por cima inacessível, inabordável. Parece que isso mudou. E o velho tema do amadurecimento depois dos 30?
    Byrne - Pode ser. Comecei a gostar de uma série de coisas que não suportava. Fiquei mais calmo. Não tem mistério, a vida é assim mesmo.

Um dos filmes mais importantes da época. Para entender a música e o povo americano. Poesia em forma de videoclipe.

 

funny-gifs-this-statue-is-strange

BIOTÔNICO FONTOURA

 

zz12

CASCATA

 

zz33

ARTE DA CAPA – GEMMA ATKINSON

 

efnea14ptbf33fp ehv9rthfxy209vt0 f0n3lmuvdvrufund f0n3pq8xqleslqsq 1m3ofo4eefhkeehf 10238,xcitefun-gemma-atkinson-1 fcoqvzm0kpnlln0 fdvtdfor09cv90vf gemma_atkinson_10170721 gemma-atkinson-11150701 f2wj7d3x24xvvxx f2wmidiyi3i8f8wi

sábado, 28 de julho de 2012

mao-chifrada-olhar

NO MORE HEROES # 72

crimea
Adaptando-se às circunstâncias, Hammett logo se integrou ao Metallica, pegando o jeito dos solos de Mustaine e ainda adicionando alguns dos seus. Após algumas semanas de prática, a nova formação rumou ao norte, em maio de 1983, para o forte de Rochester, em Nova York, a fim de gravar o álbum de estreia no hoje finado estúdio Music America e, por recomendação de Joey DeMaio, do Manowar, que morava na região, usaram o salão de festas no andar de cima - o lugar com dramaticidade ideal para que Lars Ulrich gravasse a bateria. O material que o Metallica coletou para a fita era essencialmente o mesmo de "No Life 'Til Leather" - mas com a enorme diferença de um ano de prática.
(Ian Christe)
Warrant - Heaven
Voivod - Tribal Conviction
Nazareth - Hair Of The Dog
Judas Priest - Living After Midnight
Led Zeppelin - Misty Mountain Hop
Ministry - Thieves
Mötley Crüe - She Goes Down
Queensryche - Warning (live)
Razor - Take This Torch
Saxon - Sixth Form Girls
Stryper - In God We Trust
Thunderfire - Danger
Witch Cross - Night Flight To Tokyo
Y & T - Mainstreak (live)
no rádio:
baixe: http://www.divshare.com/download/15109945-eb5

ENGOV

 

zz16

FÁCIL INDICACIÓN

 

Bugia (1958)

TBO Extra Oeste 1-17

TBO Extraordinario Dedicado al Oeste

FEIJÃO

 

zz33

AIRTO DE VOLTA (POR POUCO TEMPO) AO PAÍS DA BUROCRACIA (Jornal de Música, agosto de 1977)

                                        ------------------------------