sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O POETA PRAS CADEIRAS

 

PN11

CARLOS SALDANHA


Coessarte tradicional!...
Mas qual...


O poeta cumprimenta o seu público,
As cadeiras que não podem
sequer dar-lhe uma salva de palmas:
que têm braços, têm pés,
mas não têm mãos a medir
Na admiração contumaz
Pra dar ânimo, enfim
Que ânimo infusa, ninguém
por certo João Limão
se está querendo ser;
Mas afinal algum interesse
Mínimo que se desperte

*Goya

Nenhum comentário:

OS VINGADORES