sábado, 30 de maio de 2015

MARVEL COMICS – A HISTÓRIA SECRETA (Sean Howe, ed.Leya) # 6

imagesx

A contribuição de Everett – que tomava de empréstimo as aventuras marítimas de Jack
London, a Balada do Velho Marinheiro de Coleridge e o Mercúrio de Giambologna – foi
Namor, o Príncipe Submarino [Namor, the Sub-Mariner ]. Depois que uma expedição no
ártico provoca destruição involuntária em colônias submersas de uma raça aquática, o
imperador anfíbio manda sua filha espionar os humanos. A princesa casa-se com o
comandante da expedição, recolhe informações para sua terra natal e, antes de voltar ao
oceano, engravida. Dezenove anos depois, Namor – de orelhas pontudas, sobrancelhas
pontudas e bico de viúva, trajando apenas sunga e agraciado com pés alados – é “um ultrahomem
das profundezas... que voa ao vento... tem a força de mil” e quer vingança dos EUA.
Ele usa seus poderes para fins diabólicos: mata dois mergulhadores (com apunhaladas
rancorosas em um e esmagando a cabeça do outro) e joga o navio deles contra um recife. As
linhas horizontais fracas, uma e outra bolha, e os objetos levitantes que Everett administrava
em aguadas para representar o mundo subaquático davam ao esquema como um todo uma
ambiência tenebrosa, pronta para uma trilha de teremim, mesmo que tais sutilezas acabassem
sendo efêmeras.8 Páginas depois, o temível langor das batalhas na água salgada é substituído
por ação pura, quando Namor arranca um piloto de seu biplano e “mergulha mais uma vez no
oceano – a caminho de mais aventuras em sua cruzada contra o homem branco!”
Irrepreensivelmente violento e caprichosamente incorreto, o maquiavélico Príncipe
Submarino era o inverso do herói-imigrante Superman.

images (2)
As histórias do Príncipe Submarino estavam separadas para inclusão na Motion Picture
Funnies Weekly, revista que seria distribuída de graça às crianças que fossem ao cinema,
torcendo para que ficassem vidradas e voltassem na semana seguinte. Mas a Motion Picture
Funnies gorou e nunca saiu da gráfica, com exceção de alguns exemplares de amostra
entregues a donos das salas.
Por sorte, o agente da Funnies Inc., um irlandês compacto e de cabelos rareando chamado
Frank Torpey tinha contatos. Um deles era Martin Goodman, com quem havia trabalhado na
Eastern Distributing. Torpey pegou exemplares de Superman e Homem Incrível (título que
Everett havia feito há pouco tempo para a Centaur), saiu do prédio caindo aos pedaços que
abrigava o loft da Funnies Inc., subiu três quadras e adentrou o arranha-céu art déco verdeazul
onde ficava o quartel-general da Timely, e lá vendeu sua ideia ao velho amigo
Goodman. Gibis, segundo Torpey, eram grana certa. Negociaram para Goodman publicar o
Tocha Humana e o Príncipe Submarino numa nova antologia. Goodman já tinha uma ideia
perfeita para o título.

 
Marvel Comics n. 1, produzida inteiramente pela equipe de Jacquet, contemplava o
sucesso em todas as suas 64 páginas: o Anjo [The Angel], herói bigodudo de Paul
Gustavson, inspirado no Santo;9 o aventureiro das selvas Ka-Zar, de Ben Thompson (uma
cópia de Tarzan reaproveitada dos pulps de Goodman); o caubói Cavaleiro Mascarado
[Masked Raider], de Al Anders; e cartuns de piadinhas para preencher espaço vago.
Goodman contratou o veterano ilustrador de pulps Frank R. Paul para desenhar a capa.
Assim, a primeira revista em quadrinhos da Timely foi publicada em 31 de agosto de 1939.
Horas depois, do outro lado do mundo, a Alemanha nazista invadia a Polônia. Começava a
Segunda Guerra Mundial.

(continua)

Nenhum comentário:

GUERRA NAS ESTRELAS